O primeiro manifesto Surrealista

André Breton, definiu o movimento, como o 1º manifesto Surrealista de 1924 dizendo .:

“Acredito na resolução futura destes condições

aparentemente contraditórias de sonho e realidade

numa espécie de realidade absoluta, se assim se pode dizer: surrealidade.

Após a conquista aspiro a certeza de não alcançá-los, também despreocupado com

minha morte, no entanto, para não pesar pelo menos as alegrias de tal posse. “

– ANDRÉ BRETON : Primeiro Manifesto do Surrealismo (1924)

De acordo com o manifesto as obras seriam executadas à margem da razão, sem preocupações estéticas racionalizadas.

A associação de ideias eram feitas sem a procura de sentido e desencadeada livremente segundo três técnicas:

Escrever ou desenhar em estado semi-hipnotico, sob a influencia de álcool, da fome, ou da droga que provocariam alucinações;

Discursos ditos ou ditados durante o sono ou relatos de sonos

Junção de escritas simultâneas de varias pessoas

Plasticamente aproveitaram e utilizaram os ensinamentos do dadaismo assim como as suas técnicas : o desenho e a pintura automáticos e as técnicas clássicas de desenho e de gradação cromática. Processos foram esses, como:

A colagem, frottage, a assembelage, o driping e a decalcomania, sobretudo na de Max Ernest;

O “desenho e a pintura automáticos”;

Técnicas clássicas como aplicações de formas fantasmagóricas ou incongruentemente associadas;

O Surrealismo teve repercussões consideráveis para o desenvolvimento de outras correntes artísticas da segunda metade do século XX, como a Arte Pop, a Performance Art entre outros.